Sem tempo

by - 01:07:00

Que saudade sinto de passar minhas manhãs caminhando e minhas noites costurando! 
Como sinto saudade de chegar em casa depois de um dia cansativo de trabalho e tomar um banho, deitar na cama e ver "Outra semana no Cartoon", ou acompanhar "Gotham" e ficar por dentro da nova temporada.
Mas, estou fazendo estágio.
Vocês sabem o quanto isso é cansativo?
Eu acho que vocês não sabem!
Estou assistindo aulas, e às vezes lecionando Biologia/Ciências. É uma experiência super legal, mas também preciso confessar que é um pouco esquisita. Fiquei em choque quando tive que dar minha primeira aula sozinha, mas tive o apoio dos alunos, que são bem legais, acreditem! São pessoas do EJA, e o primeiro contato foi esquisito e eu tive muito receio, afinal, a maioria é mais velha que eu. Mas encontrei pessoas incríveis e pude perceber o quanto cada um tem a acrescentar em minha vida. Outros nem tanto, mas tem umas pessoas que valem a pena ir para o estágio e perder algumas horas de sono e descanso.
Mas, sabe, tem dias que eu faço algo, mas tem dias que eu não faço nada. Estou estagiando em dois lugares diferentes, e meu coração fica dividido entre qual é mais cansativo.

Como disse, no meio da correria, encontrei pessoas incríveis que me dão força para continuar e não desistir, e isso é incrível!
E, no meio de tudo isso, consegui um tempo para fazer minhas cartinhas.

Dá para acreditar?


Deu a louca em mim e resolvi agora colar adesivos nos envelopes, como forma de deixá-los menos vazios e menos feios, porém, não gostei muito. Às vezes penso que ficou bonito, e outra hora que ficou feio e cafona. 
Socorro.

Tenho escrito bastante carta aleatória, e não sei se terei condições de enviá-las por Correios, mas, pelo amor de Deus, não deve pesar tanto assim no bolso, mas que seja, é uma delícia! 
No estágio fui abençoada com "amizade" (mesmo que temporária) com o pessoal do terceiro ano do Ensino Médio. E isso me faz lembrar da minha época. 
Me peguei pensando num amigo chamado Henrique, e no quanto eu era (e confesso que ainda sou) apaixonada por ele, e o quanto sinto saudades e o quero bem. 
Uma pena o tempo passar tão rápido e os laços de amizade se perderem com ele. 
Uma pena, de verdade, pois a intimidade desaparece, os assuntos escapam, as novidades não parecem ser tão novidades assim, e tudo fica confuso e frio. Esse foi um dos assuntos que tive com alguns desses alunos. 
Os aconselhei a aproveitarem o máximo esses últimos "dois meses" juntos, porque quando entrarem na faculdade, ou quando a vida mudar os caminhos, nada mais será como antes
E essa é a maior verdade da minha vida. 
Algumas pessoas mudam quando estão longe. 
Inclusive a gente.

Quem diria. Eu, com vinte e dois anos, cheia de decepções, coisas erradas e sem nexo, dando conselho pra galera de dezessete, dezoito anos. Meu Deus! QUE MUNDO DOIDO!
E eles lá, prestando a atenção e conversando.
Dei conselhos de como o tempo passa rápido e de como a gente deve aproveitar cada momento. Falei sobre o amor, e sobre como sofrer por ele não compensa, afinal, pode não ter homem sobrando, mas amor próprio a gente tem que ter de sobra! Conversamos sobre bebidas e drogas, e o puta dinheiro que gastamos com isso. "O que a gente poderia ter feito com tanto dinheiro gasto com cerveja?".
Tenho me tornado cada vez mais uma pessoa consciente (e chatinha) em relação ao álcool. Beber e beber já não me agrada mais, assim como gastar dinheiro com festas e mais festas open bar, pra ver as mesmas pessoas de sempre, ou pra ficar lá, fingindo que tá curtindo, enquanto na verdade está pensando sobre o episódio que acabaram de liberar online e legendado.
Conversamos sobre as decepções da adolescência, que apesar do tempo, parecem não mudar nunca!
Criamos um laço de amizade, mesmo que momentâneo, e isso foi incrível! É uma delícia poder conversar cara a cara, olho a olho com alguém, e eu estou amando essa experiência de "voltar no tempo" com esse pessoal!
Muito amor!

Falando em amizade, minhas cartinhas fizeram sucesso e resolvi escrever para as meninas desta sala. 
Isso não é incrível?! 
Escrever sobre o que para quem eu não conheço? Um desafio! Mas deve ser assim que os escritores se sentem, não é mesmo? Ouvi um pouco de sobre cada menina e já estou pensando sobre o que escrever.

E falando novamente em amizade, tenho uma amiga de São Paulo, a Ana, que conheci através do Jonas Brothers, na minha época de adolescência. Assim, mesmo a gente morando relativamente perto e eu indo sempre pra capital, NUNCA A CONHECI. Que vergonha! Mas quero deixar aqui registrado meu carinho por ela.
Ela, vendo as fotos que ando compartilhando no Instagram das cartinhas, pediu que eu escrevesse uma para ela. Achei que era brincadeira, mas não. Era real, e então, realmente escrevi! Foi uma dar cartas mais sinceras que já escrevi, isto se não for a mais sincera. As minhas flores preferidas, a caligrafia caprichada, e o carinho transformado em palavras.
É uma delícia escrever para alguém que você gosta, não é mesmo? :)


Não posso dar spoiler, mas que ficou fofa, ficou!

Mais um pouquinho de envelopes e cartinhas.


Tenho levado minhas cartinhas para fazer no estágio.
Fazer o que, né?! :)


Queria compartilhar:

Essa cena maravilhosa. 

→ Essa cena não tão maravilhosa. 

Essa flor linda. (Lágrimas de Cristo)

Minha cara de bunda.

Não tá fácil, amigos.