Surpresas e Decepções

by - 23:19:00


Quando decidi criar meu Herbário, sabia dos riscos que estava correndo. Só não imaginava que a decepção seria tão grande assim.
Mas a felicidade também!
Não é tão fácil assim cuidar de uma natureza morta. A preservação dela, muitas vezes, vai além do nosso controle.

Há tempos sustento meu Herbário, mesmo querendo abandoná-lo por motivos de: escassez de informação e exemplares.
Ao mesmo tempo que sinto que preciso aumentar minha área de coleta, sinto que não tem como fazer isso, pois a rotina não me permite. Mas Deus é pai, e a natureza é incrível, que mesmo colhendo flores e folhas repetidas, de vez em quando encontro uma nova para a coleção.

Mantenho ele por capricho, determinação, e por acreditar que um dia irei rever o professor da graduação que inspirou este meu trabalho.
Se não fosse por ele, jamais teria descoberto essa paixão.

A última postagem que fiz sobre o Herbário foi há tempos atrás, em Março (relembre AQUI), e desde então, nunca mais o manuseei. Estive esse tempo todo colhendo exemplares e secando para poder completá-lo.

Hoje, sete meses depois, para minha não tão surpresa, o que encontrei foi isso:


Muita flor corroída, outras reduzidas a pó, insetos e mais insetos.
Não compreendi, inicialmente, porque isso havia acontecido, mas então me dei conta que existe uma coisa chamada tempo, e que a ação dele é capaz de destruir muitas coisas, inclusive flores e folhas secas.

Minha reação foi jogar tudo fora, rasgar folha por folha, destruir todo um trabalho dificilmente elaborado, mas graças a Deus que tive auto controle e não surtei. Decidi fazer tudo de novo, e com calma.

Pra quem gosta de colher e secar flores e folhas e está pensando em fazer um Herbário, por mais simples que seja, uma boa dica é envernizar as flores. Sério. Isto funciona de verdade!
Há quem pense que isto vai matar a flor, mas, ora, se ela está seca, então ela já está morta. Certo?
O verniz não irá destruir a flor.
Pelo contrário!
Ele irá preservar o formato, as estruturas das folhas, as cores e, principalmente, os detalhes.
Para que isto funcione, é preciso que as flores sejam SECAS DE FORMA ADEQUADA, viu? Secas de um jeito que elas continuem preservadas, afinal, o verniz não faz milagre.

Olha só o resultado de algumas flores que envernizei:


Essas são flores de diversas Orquídeas devidamente colhidas, secas natural e envernizadas.
O verniz preservou a cor, o formato e as estruturas das flores.
O resultado ficou incrível! Cheio de detalhes e de contrastes!

Depois dessa decepção, e da surpresa boa de encontrar alguns exemplares em perfeito estado, resolvi que era hora de mudar. 
Mudar de planos, mudar de formato, modelo, folha, e tudo mais.
MUDAR!
Começar tudo de novo!

Montei um novo caderno, e fui no modo tradicional mesmo.
Ao invés de costurar as flores, como feito anteriormente, optei por colá-las, não com cola, mas com fita, assim, não agredirá tanto os exemplares.
Por enquanto, estou gostando do resultado. Estou satisfeita com o "Herbolivro", como um amigo da faculdade o chamou.  

Não sei por quanto tempo ficará assim, mas sei que em breve terei que acrescentar mais folhas nele para preencher mais espaços vazios com essas belezas colhidas da natureza.

Colei as flores de qualquer jeito, e quando dei por mim, percebi que estava tudo uma bagunça.
Estou aos poucos organizando, e com o tempo, tudo vai ficar melhor.



Olhem só o resultado (ainda que bagunçado!)!


Recebi, ao longo de todos esses tempos, várias e várias críticas a respeito da coleta de flores e folhas da natureza. Uns diziam que eu estava matando a planta, agredindo o meio ambiente, destruindo a natureza, e coisas do tipo.
Por certo tempo, fiquei pensando nisso. 
Ao me deparar, logo no começo da Primavera, com o Orquidário de casa repleto delas, me hesitei em coletar algumas flores. 
Dias depois, as mesmas que olhei estavam caídas no chão, mortas, secas, sem vida, sem cor, sem brilho.
Ora! Se elas irão cair, irão morrer, irão ao chão, que mal faço em colher um ou dois exemplares pra mim? Eu hein! Essa sociedade anda muito esquisita, não é mesmo?


Espero compartilhar em breve mais sobre a saga do Herbário!